21.2.10

Etiqueta:

100


Hoje a avó C. faria 100 anos!

A avó nasceu em Angola - Luanda  - em 1910, antes da República (que viria em Outubro desse ano) e era a 4ª filha (a 1ª rapariga) de 12 irmãos. Passou portanto pela implantação da República, pela 1ª e pela 2ª Guerra Mundial e conheceu todos os papas do século XX (8 papas) entre muitos outros acontecimentos.

Conheceu em Novo Redondo (actual Sumbe) um belo jovem sedutor de Viseu e com ele se casou a 1 de Setembro de 1928. Tiveram 5 filhos e foi com tristeza que viu o seu grande amor partir em 1969. Estiveram casados 41 anos. A titulo de curiosidade, nos seus últimos dias a minha avo dizia, com um sorriso nos lábios, que um jovem muito simpático e jeitoso de chapéu estava aos pés da cama à espera dela (o meu avô).

Um dia saiu de casa (em Novo Redondo) para ajudar a minha mãe a fazer mudanças para Sá da Bandeira (actual Lubango) e deixou tudo a jeito de voltar passado uns dias... mas nunca mais voltou. Um dos movimentos de Libertação de Angola atacou Novo Redondo e um mês depois os meus pais fugiam de Sá da Bandeira, numa caravana de mais de 3000 carros em direcção à Namíbia. A minha avó conseguiu seguir de avião com o filho mais novo para a Africa do Sul e depois para a Rodésia (actual Zimbábue). Ficou por lá um ano e depois veio para Portugal (em 1976) para vir viver com a minha mãe (que entretanto passara com o meu pai e os meus irmãos pelos campos de refugiados durante cerca de 4 meses, seguido de 9 meses em Johannesburgh - África do Sul e finalmente viriam para Portugal nesse ano).

Eu nasci 2 anos depois. Os meus pais trabalhavam o dia todo e a minha avó é que me criou. Conta a minha mãe que um dia a minha avó teve de ir ao médico e quem ficou comigo para me dar o lanche foi a minha mãe. Acordei, olhei em volta e perguntei: "A avó?" e minha mãe respondeu: "A avó saiu". Em pânico disse: "E a minha papinha??????"... nitidamente não tinha confiança nas capacidades de minha mãe... lol... (tadinha da mami, até hoje conta esta história com um ar reprovador)

Quando cresci e ficou velhota quem tratava dela era eu. Passámos muitos dias juntas (quando os meus pais iam para fora) a conversar e a ouvi-la contar as inúmeras histórias da sua vida (tenho pena de não as ter gravado...). Era uma mulher extraordinária, com uma vontade de viver incrível, que adorava "devorar" livros e com uma capacidade natural para cativar as pessoas. Vivia para e pelos outros e ajudou a nascer uma data de crianças e era uma dona de casa extraordinária de fazer inveja a qualquer um. Foi operada a uma catarata nos olhos aos 89 anos e saiu do hospital como se nada fosse.

Lembro-me de uma vez (já eu conduzia e ela tinha quase 90 e andava de cadeira de rodas) não ter ido com os meus pais para o Algarve para ficar a estudar para exames e ela ficou comigo. Mas acabámos no algarve na mesma. O meu pai quando chegou lá abaixo foi parado pela policia e tinha-se esquecido da carta e como tinha muita "lábia" conseguiu não ser multado. Mesmo assim precisava dela e então eu arrumei as nossas malas, metemo-nos no carro as duas e lá fomos em direcção ao Algarve... eu e a minha velhota de óculos escuros, lenço na cabeça e toda contente ao meu lado a ouvir música...

Viveu até aos 94 anos, com a alegria de ter concretizado o seu último grande sonho... passar o mílénio. Passou-o e ainda viveu mais 4 anos. Três dias antes, a última vez que estive com ela (já vivia longe de casa nessa altura) sorriu-me e disse-me que me portasse bem no trabalho e voltasse no fim-de-semana seguinte, que já estava com saudades minhas.

Partiu como um passarinho, concerteza a dar a mão ao senhor simpático e jeitoso de chapéu e a seguir com ele de braço dado, juntos outra vez...

=)


6 comentário/s:

  1. Parabéns pela avó, parecia mesmo uma mulher fantástica e cheia de fibra!

    ResponderEliminar
  2. Uma avó co A grande!sim senhora!
    de qualquer forma, parabéns!

    ResponderEliminar
  3. Que mulher fantástica e história bonita nos contas! Parabéns à avó C que agora é o teu anjo da guarda.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Chorei a ler a tua historia tb eu fui criada pela a minha Avó.(Minha mãe morreu cedo demias) E que grandes mulheres são as nossas avós.Felizmente os meus filhos tb tem uma super avó (minha sogra).
    Um beijinho muito grande e que feliz que nós fomos por ter avós assim.

    ResponderEliminar
  5. Uma mulher fantástica, sim senhora. Digo eu, que, por não ser neta, sou insuspeita.
    Também me lembrei do aniversário, apesar de não saber que seria o centésimo.

    ResponderEliminar

Obrigado pelo comentário! =)

(Nota: Devido à grande quantidade de spam recebido, a confirmação de palavras foi activada)

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.