15.6.10

Etiqueta:

48 horas

ADENDA às 16:00

Infelizmente o pequenito não sobreviveu... mas pelo menos não ficou ao frio nem sozinho... adormeceu tranquilo ao colinho, quentinho e a receber festas... Ficámos tristes mas ao mesmo tempo felizes por podermos ter partilhado estes três dia na companhia deste pequenino ser e de lhe termos proporcionado estas (poucas) horas de conforto e amor... Obrigado pelas vossas mensagens! Era realmente muito lindo :-)

******************************

No domingo ao fim da tarde, ao chegar ao pé do carro, a mãe do maridão ouviu "chorar". Olhou, procurou... e deu com esta ternura, de barriga para cima, ao pé da roda do carro.


Alarmada, deu ao volta ao quarteirão à procura de alguma gata que por ali andasse mas não viu nenhuma. Voltou e o pequenino continuava a chorar, gelado de frio. Depois de algum hesitação acabou por pegar nele e levou-o para casa. Embrulhou-o numa mantinha e deu-lhe um bocadinho de leite por uma seringa.

Quando cheguei com o maridão fomos ver o bichanito e lá estava ele, muito quentinho e sossegadinho. Sobreviveu a noite e ontem levámo-lo ao veterinário. Os próximos 15 dias são "críticos" e as probabilidades nunca são muito altas... só tem 48 horas... vamos ver.


O mais engraçado é que a minha sogra dizia no sábado que queria voltar a ter um gato (já teve um gato e uma cadela)...

Já agora, ficam algumas dicas iniciais para o caso de encontrarem algum gatinho abandonado:

- a primeira coisa é mantê-lo quente, enrolado numa manta ou cobertor dentro de um cestinho por exemplo. Se estiver frio o ideal é colocar um saco de água quente por baixo (cuidado não muito quente para não o queimar)
- logo que possível levá-lo ao veterinário. Por muitos conhecimentos que se tenha, o veterinário é essencial.
- não dar leite do nosso porque os gatos não toleram o nosso leite. Tem de ser um leite especial que os veterinários têm (se não puderem ir a um como foi o nosso caso por ser domingo, nos supermercados vende-se um leite para gato da Whiskas que provisoriamente serve). São embalagens de leite em pó que já trazem o biberão e a tetina e que deve ser diluido em água (as quantidades estão na embalagem)
- o ideal é alimentá-los a biberão mas se não tiverem provisoriamente pode ser por uma seringa, de 3 em 3 horas mais ou menos. Mas o ideal é o biberão.
- outra tarefa importante é "lambê-los" como a mãe faria. Para isso é usar um algodão humedecido em água quente e passar pelas costas e pela barriga do gatinho. Isto acalma-os e ao mesmo tempo ajuda-os a fazer as necessidades (se estiverem um dia inteiro, máximo dois, sem fazerem nada têm de ir imediatamente para o veterinário).
- não juntar o gatinho a outro animal que tenham em casa pelo menos nas primeiras 3-4 semanas.


18 comentário/s:

  1. que ternura!
    espero que fique bem e que sobreviva!
    que coisinha mais fofa!

    ResponderEliminar
  2. Olá,

    Que coisa mais linda. Por que será que a mãe o abandonou?

    Vai dando notícias dele, está bem?

    Bjs,
    Anabela

    ResponderEliminar
  3. Ele quis ser encontrado. Vai sobreviver com certeza. Felicidades para ele e... vida longa :))

    ResponderEliminar
  4. Que coisinha tão pequenina! Vou ficar a torcer para que sobreviva!!! Vai dando notícias sobre o bebé, ok?
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. É engraçado a tua sogra querer um gato e este aparecer no dia seguinte! Torço para que sobreviva!

    ResponderEliminar
  6. Tão fofinho, espero bem que tenha sorte e sobreviva :)

    ResponderEliminar
  7. É um bebe lindo!
    Espero que sobreviva e que tenha uma longa vida.
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Sei bem dessa tristeza. No meu caso atrevo-me a dizer que ainda foi maior, porque houve investimento emocional, a gatinha tinha sido escolhida.

    E, pior ainda, uma semana depois Agripininha estava à morte (aquela recomendação de não haver contacto com outros animais é fundamental. QUALQUER contacto. Estende-se à área em que estiverem, e, principalmente, à areia).
    Foi há um ano, por esta altura.
    A minha pequenina também era linda.

    Tenho mesmo muita pena.

    ResponderEliminar
  9. Oh, que tristeza. Vim cá ver se sabia de novidades mas boas, não queria ler estas. :(((((((

    Infelizmente a vida é mesmo assim.

    Bjs,
    Anabela

    ResponderEliminar
  10. oh que pena!até me vieram as lágrimas aos olhos!lamento imenso!bjinhs

    ResponderEliminar
  11. Ainda era demasiado pequeno. Coitadinho... Beijinhos grandes!

    ResponderEliminar
  12. Tadinho!!!
    Sinto muito, a sério.
    É dificil porque apegamo-nos a eles e depois também nós sofremos.
    Um beijinho grande

    ResponderEliminar
  13. A mim aconteceu-me algo parecido encontrei a minha Julieta também num caixote quendo fui despejas o meu saco.
    Ouvi um piar a vir de dentro do caixote achei estranho, começei a ver de onde vinha o som e rasguei alguns sacos até descobrir a gata.
    Tinha uma semana, levei-a ao vet.
    Durante 3 semanas dei-lhe de biberon de 3 em 3 horas tal e um bébé.
    Um dia acordei com ela a fazer uma barulho estranho, corri para o vet mas já nao havia nada a fazer.
    Chorei que nem uma desalmada, nunca me senti tão impotente e ela já me reconhecia, já reconhecia quando eu a chamava.
    Quero que saibas que não é mau agoiro apenas fizeste com que eu me recordasse

    ResponderEliminar
  14. Que lindo, sei que apesar dele não ter sobrevevido, passou sua pequena existência com amor e cuidados!!
    Abraços!

    ResponderEliminar
  15. Lindo gesto...
    Eu já fiz algo parecido com 2 ninhadas de 2 gatas que tinham morrido. Mas não sabia desses conselhos todos :( felizmente da primeira vez a maioria sobreviveu... mas da segunda só consegui salvar 1. Foi triste, mas acho que falhei na parte de os manter sempre quentes...
    Boa sorte pra ele.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigado pelo comentário! =)

(Nota: Devido à grande quantidade de spam recebido, a confirmação de palavras foi activada)

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.